O que é o temível Pé Diabético? Saiba mais sobre tratamento, cuidados e complicações dessa doença diabética.

Blog

O que é o temível Pé Diabético? Saiba mais sobre tratamento, cuidados e complicações dessa doença diabética.

Se você é portador de diabetes mellitus, cuidado! O pé diabético é um problema causado por uma ferida que não cicatriza e infecciona, tornando-se uma úlcera diabética. Essa condição é causada por problemas de ordem circulatória. A diabetes afeta a circulação devido ao estreitamento das artérias, dificultando tanto a oxigenação, quanto a nutrição dos tecidos.

Um circulação ruim pode resultar em lesão da pele e causar pequenos cortes, escoriações e outras lesões que tentem a ter uma cicatrização problemática.

 

Esteja atento aos seus pés! A auto-inspeção é a chave para prevenir este problema tão sério.

 

Tenha em mente que o diabetes mellitus é uma doença grave, que evolui muito lentamente, que quando não controlada provoca inúmeras lesões em todo o organismo.

 

As infecções ou problemas na circulação nos membros inferiores estão entre as complicações mais comuns em quem tem diabetes mal controlado, ou seja, níveis glicêmicos fora do padrão.

 

Um tratamento adequado e a prevenção, são as principais armas contra o pé diabético, tendo cuidados simples como: utilizar sapatos adequados, não retirar calos e procurar seu médico logo que surgir alguma alteração, é o melhor remédio.

 

Os primeiros sintomas do Pé Diabético

 

Pacientes com idade acima de 60 anos, correspondem a 60% dos casos de diabéticos no Brasil, algo em torno de 9,6 milhões de pessoas, desse grupo, METADE apresentam o pé diabético, um problema que pode e deve ser evitado.

 

Os primeiros sintomas que se apresentam, devido ao problema circulatório são: pés frios, pele arroxeada, pele seca e descamativa, perda de pelos e pulso fraco nos pés são sinais que os pés não estão recebendo sangue suficiente.

 

Outro sintoma bastante comum é a perda da capacidade do paciente de reconhecer calor e frio, além da percepção de pressão sobre os pés, facilitando a má distribuição do peso do corpo sobre os pés, facilitando assim uma pressão anormal em regiões dos pés durante o ato de caminhar, desenvolvendo pontos de pressão calosos e ferimentos na pele, tecidos moles, ossos e articulações.

 

Os principais sintomas do pé diabético são:

  1. Fraqueza nas pernas;
  2. Sensação de formigamento frequente;
  3. Queimação nos pés e tornozelos;
  4. Dormência nos pés;
  5. Dor e sensação de agulhadas;
  6. Perda da sensibilidade nos pés.

A maior parte dos diabéticos só percebe a gravidade do problema quando surge uma ferida ou infecção persistente.

O tratamento para Pé Diabético

 

70% das amputações no Brasil, são causadas pela diabetes, portanto é de extrema importância o que os diabéticos aprendam a ter uma atenção dobrada com essa doença.

 

O tratamento do pé diabético envolve uma equipe multidisciplinar, entre eles: endocrinologista, cirurgião vascular, ortopedistas e podólogos.

 

ENDOGRINOLOGISTA: este profissional deve orientar o paciente quanto ao controle rigoroso da glicemia;

 

CIRURGIÃO VASCULAR: responsável por avaliar a circulação dos membros inferiores;

 

ORTOPEDISTA: verificar os ossos do pé, que frequentemente apresentam problemas, levando a formação de calos e machucados;

 

PODÓLOGOS: responsável por auxiliar nos cuidados locais dos pés e unhas, para que não haja nenhum ferimento que sirva de porta de entrara para uma infecção.

O melhor tratamento é sempre a prevenção, qualquer ferimento nos pés devem ser tratados rapidamente, para evitar complicações que possam levar à amputação do membro afetado.

 

Infelizmente ampla maioria das pessoas só percebem que estão doentes quando há o aparecimento de feridas. O uso de sabonetes de glicerina também é indicado para os cuidados com a pele, bem como o banho em água morna. É imprescindível manter a pele hidratada, através do uso de cremes.

 

Pede-se sempre que as cutículas não sejam tiradas, nem o corte dos cantos das unhas. Quando as unhas se apresentarem amareladas ou esfarelada é recomendado a procura de um podólogo.

 

Os sapatos para o diabético

Quando se trata de calçados, o cuidado deve ser redobrado, deve sempre escolher calçados confortáveis e que não façam surgir bolhas. Evite sapatos de salto alto e bicos finos, além de evitar utilizar sapatos novos por longos períodos.

 

Existem no mercado, modelos de sapatos especiais para diabéticos, estes são macios e maleáveis, além de não possuir costuras internas, para evitar zonas de fricção (potenciais locais de aparecimento de lesões). O bico deve ser arredondado e reforçado, permitindo que possa movimentar livremente os dedos dentro dele. A sola deve ser rígida, mas flexível, e o calcanhar deve ter proteção.

 

Outra dica importante, é experimentar o calçado ao final do dia, pois é neste período que o pé pode estar inchado e deverá caber sem apertar. Normalmente, adquire-se um número acima do normal.

Compartilhe em suas redes sociais:
Share on Facebook
Facebook
Share on Google+
Google+
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
EasyGlic
Bruno Ribeiro Soares
6 Comentários
  • Elizabeth p. De Sant'Ana
    Responder
    Postado em16:33, 11 de October de 2017

    Qual a forma correta de se dizer: pé do diabético? Ou pé diabético?

    É certo dizer: pé diabético, ou pé do diabético? Neuropatias, só dá em pessoas diabetes?

    • Márcia Corrêa Barbosa
      Responder
      Postado em09:24, 1 de March de 2018

      O correto é pé diabético. E existem outras causas de neuropatia, até mesmo em pacientes diabéticos.

  • Jane Meire dias salomao dos santos
    Responder
    Postado em21:31, 30 de January de 2018

    Me ajudou bastante na minha pesquisa de trabalho , muito obrigado ..

  • Miriam Oliveira
    Responder
    Postado em17:57, 22 de March de 2018

    Conheço uma senhora a mais de 30 anos, não era diabética, desde que a conheci já tinha um buraco na sola do pé, onde enchia de uma pomada. Hoje tem mais de 80 anos e continua com esse buraco que é fundo e cria uma crosta ao redor. Faz curativo, mas não cicatriza. Uma vez criou uma bolha, ficou internada, foi retirada a bolha, fez uma raspagem e cicatrizou, mas com o tempo voltou. Hoje é pré diabética. “Acho que é o temido pé diabético, sem ser diabética”.

    • Postado em09:43, 23 de March de 2018

      Olá Miriam,
      Obrigado por seu comentário.
      Como o próprio nome diz, o chamado pé diabético acomete pessoas que foram diagnosticadas com diabetes e é caracterizado por úlceras, geralmente plantares (na planta do pé) que apresentam dificuldade de cicatrização.
      Existem outros tipos de úlceras de difícil cicatrização provocadas por outras moléstias. Entretanto, somente o profissional de saúde qualificado poderá fazer o diagnóstico preciso.

Postar um Comentário

Comente
Nome
E-mail
Website